Abobado

Archive for the ‘América Latina’ tag

General venezuelano de metralhadora em punho defende sua casa da invasão dos esbirros da ditadura comunista do tiranete Nicolás Maduro

leave a comment

General Ángel Vivas, armado, discursa do terraço de sua casa

O tiranete Nicolás Maduro mandou um batalhão de soltados e terroristas cubanos para prender o General Ángel Vivas que resiste bravamente de arma em punho e com apoio da população que rechaça os comunistas

O general venezuelano Angel Vivas está resistindo de metralhadora em punho a tentativa da polícia de tiranete comunista Nicolás Maduro de invadir a sua casa. Esse general foi reformado porque não quis se submeter ao controle militar da ditadura de Fidel e Raúl Castro.

Maduro mandou seus bate-paus vasculhar a casa do general e prendê-lo. Entretanto, encontraram o militar com uma metralhadora em punho que até há pouco impedia o avanço da Guarda Bolivariana e de milícias armadas, os chamados ‘coletivos’ comunistas, uma espécie de MST do PT.

As fotos mostram o general Vivas e, abaixo, seus vizinhos de bairro que se aglomeram perto da residência do militar. Os vizinhos de Ángel Vivas também se encarregaram de montar barricadas para impedir o avanço dos assassinos comunistas fardados.

Certamente, esta matéria não estará no Fantástico da Rede Globo e em nenhum outro veículo da grande mídia brasileira, toda ela sob o controle dos comunistas do PT.

O tiranete Nicolás Maduro mandou um batalhão de soltados e terroristas cubanos para prender o General Ángel Vivas que resiste bravamente de arma em punho e com apoio da população que rechaça os comunistas

Blog do Aluízio Amorim

Written by Abobado

fevereiro 23rd, 2014 at 8:06 pm

O velhaco cachaceiro foi à lona em Bogotá

leave a comment

O pastelão encenado no picadeiro do Circo do Planalto por Dilma Rousseff, Nelson Jobim e Celso Amorim acabou ofuscando o fiasco do palanque ambulante em Bogotá, onde fez escala na quinta-feira passada para animar um encontro entre empresários brasileiros e colombianos. Lula estava lá para discorrer sobre as relações entre os dois países. No meio da discurseira, resolveu discutir a relação com Alvaro Uribe. Foi nocauteado no primeiro assalto.

Caprichando na pose de consultor-geral do mundo, com os olhos voltados para o presidente Juan Manuel Santos, Lula cruzou a fronteira da civilidade com a desfaçatez dos inimputáveis. “Estou certo que você e a presidenta Dilma Rousseff podem fazer mais do que fizemos o presidente Uribe e eu”, começou. Pararia por aí se fosse sensato. Nunca será, confirmou a continuação do falatório: “Tínhamos uma boa relação, mas com muita desconfiança. Não confiávamos totalmente um no outro”.

Lula confia em delinquentes, cafajestes, doidos de pedra, assassinos patológicos, sociopatas, ladrões compulsivos ─ e em qualquer obscenidade cucaracha. Hugo Chávez é um bolívar-de-hospício, mas o amigo brasileiro participou até de comícios eleitorais na Venezuela. Evo Morales tungou a Petrobras e anistiou os ladrões de milhares de carros brasileiros, mas Lula tem muito apreço por um lhama-de-franja. Cristina Kirchner não perde nenhuma chance de atazanar exportadores brasileiros, mas Lula não resiste ao charme da inventora do luto de luxo. O único problema do subcontinente é Uribe.

Embora desprovido de razões para desconfianças, Lula foi permanentemente desrespeitoso ─ e frequentemente grosseiro ─ com o colombiano que também conseguiu dois mandatos nas urnas, despediu-se da presidência com 85% de aprovação nas pesquisas e transmitiu o cargo ao sucessor que escolheu. Embora sobrassem motivos para desconfiar de Lula, Uribe sempre o tratou com respeito e elegância. E suportou pacientemente, durante oito anos, as manifestações unilaterais de hostilidade.

A paciência chegou ao fim, avisou a devastadora sequência de mensagens divulgadas por Uribe no Twitter. “Lula criticava Chávez em sua ausência, mas tremia quando ele estava presente”, pegou no fígado o primeiro contragolpe. Outros três registraram que  “Lula se negou a extraditar o Padre Medina, terrorista refugiado no Brasil”, que “Lula procurou impedir que a televisão transmitisse a reunião da Unasul em Bariloche que discutiu o acordo militar entre a Colômbia e os Estados Unidos” e que “Lula jamais admitiu que os integrantes das FARC são narcoterroristas”.

O quinto contragolpe ─ “Lula fingia durante o governo que era o nosso melhor amigo” ─ não seria o último. Mas o nocaute já se consumara quando foi desferido. É compreensível que o viajante ainda estivesse grogue no dia seguinte, como comprovam a forma e o conteúdo da entrevista publicada pelo jornal O Tempo. “Sinceramente, estranhei muito a reação do companheiro Uribe, por quem tenho profundo respeito”, recuou o palanqueiro, que se negou a comentar o teor das mensagens.

“Se ele tem alguma dúvida com alguma coisa que eu disse, seria mais fácil me chamar em vez de tuitar”, queixou-se. O uso do neologismo parece ter induzido o repórter a acreditar que Lula tem intimidade com modernidades virtuais. Pretendia usar o twitter para responder a Uribe? , quis saber o jornalista. “Não, porque é preciso pensar antes de dizer as coisas, e muitas vezes no Twitter a pessoa não pensa, simplesmente escreve”, desconversou.

Como o entrevistador não replicou, pode-se deduzir que não conhece direito o entrevistado. Deveria ter-se informado com Uribe, que sabe com quem está falando. O ex-presidente colombiano sabe que Lula é do tipo que primeiro fala e depois pensa ─ se é que pensa. Sabe que Lula não escreve, em redes sociais ou num guardanapo do botequim, pela simples e boa razão de que não quis aprender a escrever.

Lula comprou a briga usando o microfone. Colidiu com a palavra escrita e acabou nocauteado pelo Twitter.

Augusto Nunes

Fernando Lugo: O bispo ‘coelho’

leave a comment

Lugo, El Matador: De bobo esse bispo não tem nada. Essa terceira mulher da imagem é um espetáculo. Atola negão!

Terceira a pleitear paternidade diz que associação de mulheres foi formada para encaminhar pedidos

Damiana Morán, a terceira mulher que afirmou ter um filho com o presidente do Paraguai, o ex-bispo Fernando Lugo, disse na quarta-feira, 22, que ele é pai de pelo menos seis filhos bastardos e que foi formada uma associação de mulheres para encaminhar os casos de suposta paternidade. À medida que os escândalos de paternidade em série se alastram, a oposição prepara uma ação criminal por "estupro" contra o presidente, e seu vice, o liberal Federico Franco, ameaça romper com ele.

"Formamos uma equipe de trabalho que se encarregará de administrar todos os casos de paternidade. Até o momento tenho a informação de que existem seis casos", afirmou a militante de esquerda. Damiana afirmou ter um filho de 1 ano e 4 meses com o presidente. Ao contrário das outras duas mães, no entanto, ela disse que não entraria com ação de reconhecimento da paternidade nem exigiria pensão alimentícia.

Damiana contou, segundo a AFP, que a ideia de formar a associação surgiu de conversar mantidas com responsáveis da Secretaria da Criança e do Adolescente e da Secretaria da Mulher, dependências do Estado com caráter ministerial. O grupo buscará evitar que a situação "seja manipulada politicamente" por inimigos do presidente. Reuters

Leis mais aqui.

Written by Abobado

abril 23rd, 2009 at 10:53 am

Opinião do Estadão: Liderança contestada

one comment

Presidente Lula e o Presidente de Cuba, Raúl Castro, durante cerimônia oficial de chegada ao Brasil

A região [América Latina e Caribe] é mais do que pródiga em pronunciamentos em prol da integração e menos do que apta a manter em pé os seus organismos supranacionais. Se o Mercosul e o Pacto Andino, que reúnem, cada qual, um punhado de países, não funcionam, que dirá uma entidade com 33 membros – que pouco têm em comum além da situação no mesmo continente. Muito menos interesses nacionais, como, aliás, ficou demonstrado na reunião de Sauípe. De resto, não pode ter futuro uma instituição multilateral concebida para se opor a algo, no caso os EUA, e sem nenhum objetivo concreto positivo. Salvo Cuba, os países caribenhos, que aritmeticamente serão a maioria dos sócios desse clube do anti, de tal modo dependem do intercâmbio comercial com a América do Norte que bloquearão qualquer iniciativa substancial (supondo que a Oealc seja capaz disso) de confronto com o “império”. Não há de ter sido por outra razão que os seus governantes entraram mudos e saíram calados da conferência na Bahia.

Leia o texto completo aqui.

Written by Abobado

dezembro 19th, 2008 at 8:14 am

Posted in Política

Tagged with ,

Quem bate? – Chávez faz visita surpresa a Cuba

leave a comment

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, fez uma visita surpresa a Cuba sábado à noite e passou um tempo em um encontro portas fechadas com o presidente Raúl Castro e seu irmão adoentado Fidel.

Um registro no site do jornal da Juventude Comunista “Juventude Rebelde” diz que Chávez desembarcou por volta de 20h30 locais (21h30 de Brasília) e foi recebido no aeroporto por Raúl. Cháves então encontrou-se com os dois irmãos, de acordo com o texto da Internet, que foi publicado perto de meia hora após a chegada do venezuelano. A reportagem não dá mais detalhes e não há comentários adicionais do governo cubano.

Esta foi a segunda visita a Cuba em menos de uma semana de Chávez, que foi a Havana por algumas horas segunda-feira como parte de sua previamente anunciada parada no começo de sua viagem para China, Rússia e Europa. Esta visita de sábado não tinha sido previamente agenda. Durante do dia, no entando, a televisão estatal cubana mostrou imagens de Chávez sendo entrevistado em Portugal, onde ele disse não ter muito para falar porque “Fidel estava esperando” por ele em Havana. Os dois são amigos íntimos e aliados socialistas, e generosos carregamentos de petróleo com preços favoráveis têm ajudadado a manter a economia da ilha. Agência Estado

Written by Abobado

setembro 28th, 2008 at 1:02 am

Ministro equatoriano afirma que embargo à Odebrecht significa expulsão do país

leave a comment

Derlis Palacios - ministro equatoriano de Setores Estratégicos O embargo dos bens da construtora brasileira Odebrecht significa a “expulsão” da empresa do Equador, afirmou o ministro equatoriano de Setores Estratégicos, Derlis Palacios, de acordo com informações da BBC Brasil. O governo do Equador determinou ontem (24), por meio de um decreto, o embargo dos bens da empresa e repassou ao Exército o controle das obras da construtora.

"Sim, é uma expulsão", afirmou Palacios sobre o alcance da medida. O governo equatoriano exige o pagamento de uma indenização pela empresa por falhas no funcionamento e pela posterior paralisação (desde 6 de junho) nos serviços da central hidrelétrica San Francisco, construída pela empreiteira.

De acordo com o governo, essa paralisação coloca em risco o abastecimento de energia no país, pois a hidrelétrica de San Francisco é responsável por 12% da energia gerada no Equador.

O decreto que embarga os bens da empresa também determinou que funcionários da empresa não deixem o país. Por causa dessa medida dois diretores da empresa estão na embaixada brasileira e outros dois, no Brasil. No total, 30 brasileiros trabalham nas obras da empresa no país.

Além da usina, a Odebrecht está construindo outra hidrelétrica, uma rodovia e um aeroporto no Equador. Agência Brasil

Written by Abobado

setembro 24th, 2008 at 7:01 pm

Posted in Equador

Tagged with , ,

Já vão tarde, cacalhada – Bolivianos deportados teriam ligações com Evo Morales, segundo a Polícia Federal

leave a comment

lula-e-companheiro-evo Os três bolivianos deportados pela Polícia Federal no último final de semana eram ligados ao governo do presidente Evo Morales, segundo informações da Delegacia de Imigração da PF no Acre. Eles foram expulsos do país por espionarem cidadão bolivianos refugiados nas cidades de Brasiléia e Epitaciolândia.

Foram detidos e deportados Weimar Becerra Ferreira, 47 anos, amigo do presidente Evo Morales e considerado uma das principais lideranças do movimento dos camponeses da Amazônia boliviana; Raul Roble Cabrera, diretor da Federación Sindical Única de Trabajadores Campesinos de Pando; e o soldado Hugo Gustaner Reyes.

De acordo com a PF, os homens foram deportados por estarem observando e fotografando os compatriotas para repassar informações ao Exército boliviano. "A Polícia Federal não permite que sejam realizadas manifestações políticas contra o governo de Evo Morales, tampouco que simpatizantes do governo boliviano tomem atitudes intimidadoras no solo brasileiro. Caso o governo boliviano deseje a extradição de algum boliviano acusado de crime deverá fazê-lo pelos meios legais", diz nota da PF no Acre.

Os bolivianos refugiados no Acre estariam envolvidos nos recentes conflitos na região de Pando, no país vizinho. Agência Brasil

Written by Abobado

setembro 23rd, 2008 at 11:06 pm

Rapina – Equador confisca bens e projetos da Odebrecht no país

leave a comment


QUITO – O presidente do Equador, Rafael Correa, ordenou a mobilização das Forças Armadas para confiscar os bens e as instalações da hidrelétrica San Francisco e dos outros projetos da construtora Odebrecht no país. A notícia foi divulgada pelo site do jornal equatoriano El Comércio. Em um decreto assinado hoje em Guayaquil, Correa também proibiu os executivos da Odebrecht de saírem do país. Em nota, a empresa alegou que tentará retomar as operações o mais rápido possível.

Correa decretou emergência nacional para evitar a redução da distribuição de energia no Equador, depois de serem detectadas falhas na central hidrelétrica San Francisco, construída pela Odebrecht, segundo o jornal. O decreto, assinado depois de mais de três horas de reunião entre Correa e seus principais ministros, afirma que a intenção é “evitar um estado de comoção interna, diante da possibilidade de apagões generalizados no território nacional”.

Segundo o “El Comércio”, a emergência nacional também foi decretada para superar as deficiências dos projetos Toachi-Pilatón, Carrizal-Chone, Baba, Aeropuerto del Tena e todos os outros em que a Odebrecht tem participação.

Na nota divulgada hoje, a Odebrecht afirma que o consórcio de que participa naquele país “continua com seu compromisso” de normalizar a operação da hidrelétrica San Francisco “o mais breve possível”. Segundo a empresa, a proposta feita pelo consórcio Odebrecht-Alstom-Va Tech foi “altamente positiva” para o governo equatoriano e “resguarda possíveis perdas da Hidropastaza”, proprietária da hidrelétrica.

Entre outros pontos, a Odebrecht afirma que a proposta de acordo feita pelo consórcio envolve “depósito em conta de uma garantia de US$ 43 milhões e contratação de auditoria internacional independente” para determinar as responsabilidades das partes envolvidas. Agência Estado

Written by Abobado

setembro 23rd, 2008 at 9:02 pm

Negociação enfrenta primeiro impasse na Bolívia

leave a comment

 

As negociações entre governo e oposição na Bolívia chegaram a um impasse neste domingo, o quarto dia de diálogo após o pior período de crise vivido pelo país na gestão do presidente Evo Morales.

Morales propôs um acordo para que o Congresso Nacional aprove antes do dia 1º de outubro a data para o referendo que vai ratificar ou não a nova constituição do país, aprovada no fim do ano passado sem a participação da oposição.

Mas os quatro prefeitos (governadores) da oposição pediram mais tempo para dialogar nas mesas de negociação formadas em Cochabamba, no centro do país.

Foi a primeira diferença entre as partes desde que começou o chamado "diálogo nacional", que conta com presença de observadores internacionais, ou "testemunhas", como prefere o governo.

Constituição

A carta magna é o assunto mais polêmico nesta rodada de discussões, que começou na última quinta-feira.

O presidente Morales e o vice Alvaro García Linera já afirmaram, mais de uma vez, que a idéia é discutir apenas o capítulo das autonomias – uma das demandas da oposição.

Com isso, não se tocaria em outros temas polêmicos para a oposição como a reforma agrária.

"O governo já disse que pode fazer concessões na Constituição em relação às autonomias e nada mais. Se o governo abrir a discussão para outros itens, então se derrubará a revolução social", disse o assessor jurídico do governo Morales, Eusébio Gironda, em entrevista à rádio Fides, de La Paz.

Assembléia da ONU

Morales viaja para Nova Iorque, nesta segunda-feira, onde participará da Assembléia Anual da ONU (Organização das Nações Unidas) e pretendia, segundo a imprensa local, chegar a um entendimento com a oposição antes do embarque.

Nas últimas horas, o representante da oposição, o governador de Tarija, Mario Cossío, disse: "Não devemos ter pressa. São discussões profundas que pretendem pacificar o país. Precisamos de mais tempo. E não podemos votar a nova constituição às cegas".

Em um comunicado, os governadores da oposição informaram que as mesas que discutem as autonomias dos departamentos (estados) e a arrecadação do setor petroleiro vão continuar e os resultados deverão ser divulgados na quinta-feira, dia 25.

No texto, eles recordam ainda que o pré-acordo, assinado na semana passada com o governo, prevê um prazo de um mês, no mínimo, para a definição da data do referendo sobre a carta magna.

Autonomias

O porta-voz da Presidência da Bolívia, Ivan Canelas, disse que na proposta apresentada neste domingo por Morales à oposição está previsto avaliar o sistema de autonomias aprovado nas eleições realizadas nos estados opositores -Santa Cruz, Tarija, Beni e Pando-, contra a vontade do presidente.

Além destes, ele também incluiu Chuquisaca, que apesar de não ter realizado as votações, quer a mesma autonomia política, financeira e administrativa do governo central.

O governador de Pando é o único ausente entre os nove governadores do país. Leopoldo Fernández, que governava o estado até a semana passada, está preso, acusado de ser o responsável pelas mortes de pelo menos 16 pessoas e ainda por ter "desobedecido" o estado de sítio decretado pelo governo Morales no lugar, vizinho ao Acre.

‘Golpe civil’

A postura da oposição, neste domingo, levou o vice-ministro de Coordenação com os Movimentos Sociais, Sacha Lllorenti, a dizer que a oposição "não tem disposição para acabar com o conflito" e pretende continuar com o "golpe civil" que teria provocado a onda de violência das três últimas semanas.

"Golpe civil" também foi a definição que Morales usou ao falar da situação de seu país durante reunião da Unasul (União das Nações da América do Sul), em Santiago, no Chile.

Mas o encontro entre governo e oposição também já registrou o primeiro entendimento. Eles concordaram, no sábado, que os impostos petroleiros devem garantir o pagamento de um benefício aos aposentados com mais de 60 anos, como o governo central vinha fazendo. BBC Brasil

Written by Abobado

setembro 21st, 2008 at 11:07 pm

Opinião do Estadão: A parcialidade da Unasul

leave a comment

 lula_unasul

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deveria ter seguido seu instinto político. Quando soube da convocação, pela presidente do Chile, Michelle Bachelet, da reunião da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) para examinar a crise boliviana, seu primeiro impulso foi recusar o convite e mandar um representante em seu lugar. Ele não via sentido numa reunião de chefes de Estado, uma vez que o grupo não poderia tomar decisões que só cabem ao presidente Evo Morales. Isso, aliás, havia ficado claro quando o presidente boliviano recusou a mediação do Grupo de Amigos da Bolívia (Brasil, Argentina e Colômbia) oferecida dias antes pelo próprio Lula – enquanto procura negociar com seus opositores. De certo, o presidente brasileiro também receava que o encontro de presidentes fosse usado como palco para mais uma das agressivas demonstrações de radicalismo do caudilho Hugo Chávez, que já havia ameaçado intervir militarmente na Bolívia se a crise interna pusesse em risco o governo de seu discípulo bolivariano, Evo Morales.

Mas Lula deixou-se convencer, finalmente, de que a reunião da Unasul não apenas não configuraria uma intromissão nos assuntos internos da Bolívia, como sua realização interessava a Morales. Também teria pesado na sua decisão de ir a Santiago o fato de ser aquela a primeira reunião do novo organismo regional criado para substituir a OEA – ou seja, para evitar qualquer ingerência política dos Estados Unidos nos assuntos sul-americanos.
Os debates entre os presidentes e o texto do comunicado final da Unasul mostram que o presidente Lula teria saído no lucro não indo a Santiago. Para começar, Michelle Bachelet, presidente de turno da organização, teve grande trabalho para evitar que referências grosseiras aos Estados Unidos – acusados de fomentarem uma guerra civil na Bolívia – constassem do documento final, como exigiam Hugo Chávez, Evo Morales e Rafael Correa. Mesmo assim, o texto aprovado por unanimidade é um primor de parcialidade, não por dar respaldo a um presidente eleito, mas por considerá-lo, contra todas as evidências, como o paladino da “institucionalidade democrática”, do “Estado de Direito” e da “ordem jurídica vigente”.

Não há quem não saiba que o caos político e social se instalou na Bolívia porque Evo Morales violentou todos os princípios da democracia na sua tentativa de implantar no país um extravagante regime socialista, baseado no autoritarismo do confuso bolivarianismo de Chávez e temperado com um modelo de organização social pré-colombiano.

Antes que a situação chegasse ao ponto atual, o homem que a Unasul considera o guardião das liberdades democráticas fechou o Congresso, praticamente dissolveu a Corte Suprema e fraudou escandalosamente o processo de elaboração da Constituição que quer impor ao país. Foi contra tudo isso que se insurgiram cinco dos nove Departamentos da Bolívia. Seus governadores também deixaram a lei de lado e seria risível, não fosse trágico, falar na “ordem legal vigente” na Bolívia.

É também estranho que a Unasul exija respeito à integridade territorial da Bolívia. Há pelo menos dois anos, desde que os ânimos começaram a se acirrar, os governadores de oposição e as organizações cívicas que os apóiam não se cansam de afirmar que seu objetivo é evitar a imposição do socialismo e da ordem social pré-colombiana – que deixa em posição de submissão quem não é índio – e consagrar a autonomia dos Departamentos – e não a deposição de Evo Morales e, muito menos, a secessão do país. Se, nesse período, existiu alguma ameaça à integridade da Bolívia, ela partiu do caudilho Hugo Chávez, que mais de uma vez se disse disposto a intervir militarmente no país.

Do espetáculo encenado em Santiago teria restado de útil a decisão de organizar uma comissão para acompanhar os trabalhos de uma mesa de diálogo entre o governo e a oposição bolivianos. Mas os presidentes reunidos fizeram um “apelo ao diálogo” quando, havia já 48 horas, se reuniam no Palácio Quemado, em La Paz, o vice-presidente Álvaro Garcia Linera e o governador de Tarija, Mario Cossio, para acertar as bases das negociações entre o governo e os governadores da “meia-lua”. É desse diálogo que pode surgir a tão desejada “harmonização” entre a Constituição de Morales e as reivindicações políticas dos governadores – única forma pacífica de solucionar a crise boliviana.

Written by Abobado

setembro 17th, 2008 at 9:57 pm