Abobado

Petralhas corruptos zombam da cara dos brasileiros

leave a comment

Desde que chegou à Presidência e instalou no Estado sua máquina de drenar recursos públicos para manter-se no poder, o PT notabilizou-se por zombar da inteligência alheia quando seus correligionários são flagrados tomando o que não lhes pertence

Quando o senador Delcídio Amaral diz que razões “humanitárias” o levaram a articular a fuga do delator do petrolão que poderia comprometê-lo, embora o País inteiro tenha percebido que se tratou de um escandaloso acerto criminoso, ele agiu exatamente conforme a natureza petista. Desde que chegou à Presidência e instalou no Estado sua máquina de drenar recursos públicos para manter-se no poder, o PT notabilizou-se por zombar da inteligência alheia quando seus correligionários são flagrados tomando o que não lhes pertence.

As razões “humanitárias” alegadas por Delcídio podem ser — como são — um argumento ofensivo, mas nada excepcional diante do padrão petista, cujo cúmulo foi ter transformado em “guerreiros do povo brasileiro” os integrantes da gangue que o Supremo Tribunal Federal condenou no caso do mensalão, desfecho que deve se repetir no petrolão e sabe-se lá em que outros escândalos mais.

A declaração de Delcídio foi dada em depoimento à Polícia Federal a respeito da reunião em que o senador ofereceu dinheiro e a oportunidade de fuga para Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobrás preso pela Lava Jato. O encontro foi gravado pelo filho de Cerveró, Bernardo, que dele participou, junto com o advogado do pai, Edson Ribeiro. Cerveró estava para assinar um acordo de delação, na qual o ex-diretor poderia envolver Delcídio no petrolão.

“O senador disse que (o encontro) foi um pedido que o advogado e o filho do Cerveró fizeram para ele, e ele disse que iria encaminhar o assunto, que ia interceder, sim, e ele explicou que era uma questão humanitária, que era dar uma palavra de conforto e esperança, e que iria fazer isso para diminuir a dor, o sofrimento, talvez. Ele mencionou que conhecia a família”, relatou o advogado de Delcídio, Maurício Leite.

Segundo essa fabulosa versão, foi apenas para “dar uma palavra de conforto e esperança” que Delcídio prometeu a Bernardo falar com ministros do Supremo para facilitar a liberação de Cerveró e ajudar a bolar um plano de fuga do ex-diretor — com detalhes que vão desde o tipo de avião ou barco a ser usado até a melhor rota, além do dinheiro para Cerveró e a família se sustentarem.

Se já causa asco o crime em si, revelado em detalhes na gravação que o País ouviu estupefato, mais asco ainda inspira a desfaçatez com que Delcídio pretende se livrar da acusação. Nisso, como bom petista, segue o exemplo de seu chefe, o demiurgo Luiz Inácio Lula da Silva. Pois quem não se lembra da candura de Lula quando, ao explodir o escândalo do mensalão, ocorrido debaixo de sua barba e protagonizado por gente de sua mais estrita confiança, disse que fora “traído por práticas inaceitáveis das quais nunca tive conhecimento”? E quem não se lembra que, mais tarde, quando já se encaminhava a condenação de seus principais companheiros de partido na mais alta instância judicial do País, Lula prometeu desmontar a “farsa do mensalão”?

Agora, em meio ao escândalo do petrolão, esse comportamento escarnecedor continua o mesmo. Os presidiários petistas se multiplicaram, mas Lula e seus sequazes não se envergonham de acusar a imprensa e a Justiça de “perseguição” ao PT. Afinal, segundo essa gente diz, “todo mundo faz” o que os petistas fizeram.

No caso de Delcídio, porém, as provas são tão contundentes que a direção do PT prometeu puni-lo. Mesmo assim, manteve o padrão zombeteiro, ao dizer que o senador não merecia solidariedade porque não estava em “atividade partidária” — ou seja, se Delcídio estivesse cometendo crimes para favorecer o PT, não seria expulso, e sim conduzido ao panteão dos heróis do partido.

Lula manteve-se publicamente calado, mas a correligionários disse que o senador cometeu uma “grande burrada” ao se deixar gravar articulando uma evidente obstrução de Justiça. Isso significa que, para Lula, o problema não é cometer o crime, mas deixar-se pegar.

Editorial do Estadão

pt_corrupto_vermelho

Leave a Reply