Abobado

Florianópolis: O carteiraço continua – Mosquito é preso após se recusar a assinar citação em ação movida por desembargadora

5 comments

Carteiraço em Florianópolis: Somente numa província metida a besta ainda se vê absurdos tão grandes

Transcrevo abaixo post publicado no site Tijoladas do Mosquito no dia de ontem (29/10/2010). O teor é bem claro e mostra a agilidade da nossa justiça quando a coisa aperta para um de seus membros.

Fui vítima hoje a tarde de uma armação, uma armadilha. Coisa de organização criminosa. Montada dentro do Fórum da Capital com a participação da desembargadora Rejane Andersen e seus advogados.

A “dotora”, pega no flagrante por policiais honestos, resolveu partir para cima do bloqueiro Mosquito, que teve a coragem de publicar o vídeo de sua ação criminosa.

Resolveu entrar na 1ª Vara Cível da Capital no dia 27 de Abril de 2010 (terça-feira última) com uma Ação (cominatória/ordinária) contra o blogueiro Amilton Alexandre e o Google. Em menos de 48 horas saiu a decisão da justiça, assinada pela Dra. Haidée Denise Grin (exatamente hoje à  tarde – 29/04/2010).

Durante a tarde começou por parte da justiça catarinense a caça ao criminoso blogueiro.

Estava trabalhando no Café Cultura (Praça XV, centro de Florianópolis), quando toca meu celular. Do outro lado da linha uma pessoa dizendo se chamar Serginho. Dizia que me conhecia do gabinete do vereador João Amin e que gostaria de me apresentar documentos de denúncias de corrupção.

Disse-lhe que não lembrava de ter conhecido nenhum Serginho lá, mais não teria problema em encontrá-lo. Ainda brinquei perguntando se não era nenhum oficial de justiça. Quase acertei. Isso foi às 16h07 (telefone gravado no meu celular 3223–8516. O tal Serginho disse que estava na Av. Rio Branco e ia ao meu encontro.

Às 16h21 nova ligação, agora do telefone 3223-8240.  O tal Serginho dizendo estar próxima a Farmácia Catarinense perguntou onde era o café. Disse que era defronte ao Banco do Brasil.

Cinco minutos depois entra na Café Cultura uma oficial de justiça (mais tarde soube o nome dela – Adriana Beatriz Fonseca Silveira), com uma citação.

Nem deixei ela falar. Disse que não ia assinar a citação e que estava sendo vítima de uma armadilha. Disse que a justiça tem meios legais de citar um cidadão. Ela então fala para os clientes do café que é oficial de justiça, informa que estou sendo citado, mesmo sem ter assinado o termo. Ato contínuo, muito puto, joguei a citação na oficial e recebo voz de prisão, com pedido da mesma para que fosse algemado. Protestei e fui levado a Central de Polícia por policiais que estavam de serviço na Praça XV.

Enquanto aguardava meu depoimento na delegacia a oficial de justiça fazia o seu relato, acompanhada de um senhor de terno. Achei estranha a presença desse senhor.

Dei meu depoimento a antes de ir embora, perguntei quem era o dito cujo que acompanhou o depoimento da oficial de Justiça.

Leia mais aqui.

5 Responses to 'Florianópolis: O carteiraço continua – Mosquito é preso após se recusar a assinar citação em ação movida por desembargadora'

Subscribe to comments with RSS or TrackBack to 'Florianópolis: O carteiraço continua – Mosquito é preso após se recusar a assinar citação em ação movida por desembargadora'.

  1. Que absurdo!!!
    O que é isso!!!
    Ele não podia ir preso.
    Se não quis assinar, o máximo que o oficial de justiça poderia ter feito era ter considerado assinado. Ele tem poderes para isso. Ele tem fé pública, ou seja, o que ele declara é tido como verdade, então, era só ele declarar que encontrou o mosquito e que o informou do teor do Mandado, que o tornou ciente e que assim o declarava citado ou intimado. Como queira.
    Mas prender????
    I-n-a-c-r-e-d-i-t-á-v-e-l-!!!
    E agora?
    O Blog do Mosquito vai continuar fora do ar?
    A quantas anda essa história?
    Por favor me mande notícias.
    Bem agora que eu ia salvar o link do Blog do Mosquito nos Micros dos meus pais…
    Vou deixar o seu salvo, ok?
    Abração
    Marcia.

    Marcia

    16 ago 10 at 1:57 pm

  2. “Ato contínuo, muito puto, joguei a citação na oficial…” Ele foi algemado por isso, não por ter se recusado a assinar. A moça estava trabalhando, sob pena de ela sim ser processada e exonerada do serviço público por não ter cumprido ordens de um juiz, o camarada aí não tinha o direito de agredi-la.

    Sirineu Farfan

    19 out 10 at 7:22 am

  3. Ter, 19 Out, 08h21 – Um desembargador de Santa Catarina será investigado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) por conivência com a prática de prostituição infantil. Ele foi flagrado em gravação telefônica, autorizada judicialmente, conversando com um amigo sobre programas sexuais com uma garota de 16 anos num prostíbulo na cidade de Palhoça, na grande Florianópolis.
    O desembargador falava de seu telefone funcional sobre detalhes desses programas. Em um dos pontos da conversa, afirma que a menina com quem se encontraria tinha 16 anos. Sabendo que estava sendo investigado, conforme a relatora do processo no CNJ, Eliana Calmon, o desembargador dizia que o amigo deveria falar que a menina tinha 26 anos.
    Além de não tomar providências contra a prática de prostituição infantil, as gravações mostram, conforme integrantes do CNJ, que o desembargador ainda dava conselhos ao amigo para que levasse roupas de presente para a menina. “Mesmo em uma conversa privada não é possível um desembargador aceitar isso e ainda propalar”, afirmou a corregedora Nacional de Justiça, Eliana Calmon.
    O diálogo, classificado por Eliana Calmon como “indecoroso” e “repugnante”, foi gravado durante a Operação Arrastão, da Polícia Federal (PF), que investigou a exploração de jogos de azar em Santa Catarina. O amigo, que conversa com o desembargador, chegou a ser preso durante a operação.
    Processo – O desembargador também será investigado por suspeita de ter julgado de forma parcial um processo que tinha como advogado um ex-colega de tribunal, o desembargador aposentado Nestor Silveira. Conforme as investigações, o desembargador teria retirado o processo da pauta de julgamentos por mais de dez vezes. E o julgamento teria ocorrido numa sessão em que os advogados da outra parte estariam ausentes.
    Dois conselheiros votaram para que o desembargador fosse afastado do cargo enquanto durassem as apurações, mas ficaram vencidos nessa proposta. O presidente do CNJ, Cezar Peluso, foi contrário à abertura do processo por considerar que o caso deve ser analisado primeiramente pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Somente depois o CNJ poderia ser acionado.
    Os advogados do desembargador negaram os indícios de parcialidade. Afirmaram ser normal a demora no julgamento de processos judiciais. Além disso, disseram que as conversas sobre relacionamentos sexuais são assunto pessoal, normais na conversa privada entre dois homens.

    MAIS UMA: quinta-feira, 25 de março de 2010 – Mais um juiz é “punido”
    Ontem, Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) determinou a aposentadoria compulsória, com salários proporcionais ao tempo de serviço, do juiz federal Carlos Alberto da Costa Dias, que atua em Florianópolis. Em março de 2009, o Ministério Público Federal (MPF), por meio do Núcleo de Ações Originárias da Procuradoria Regional da República da 4ª Região, ofereceu denúncia contra Dias, por falsificação de documento particular e uso de documento falsificado. Segundo o MPF, entre fevereiro de 1998 e janeiro de 2006, Dias falsificou petições judiciais, contrato de honorários advocatícios e documento de renúncia, que usou para protocolar petições e ajuizar duas ações em seu favor na Justiça Federal de Santa Catarina. Em ambas, o juiz teve êxito e, de uma delas ainda recebeu honorários advocatícios. As assinaturas falsificadas são dos advogados Maurício Cozer Dias, Adriano Vituli da Silva e Luciana Freire Rangel. O exemplo de “punição” é o mesmo adotado no Mato Grosso, onde 11 juízes foram afastados dos cargos, pela aposentadoria compulsória, mas não ficam sem o pagamento régio dos salários. Ai daquele trabalhador comum que ousar fazer o mesmo, certamente não será aposentado, muito menos terá a garantia de receber o salarinho todos os meses!
    Ontem, Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) determinou a aposentadoria compulsória, com salários proporcionais ao tempo de serviço, do juiz federal Carlos Alberto da Costa Dias, que atua em Florianópolis. Em março de 2009, o Ministério Público Federal (MPF), por meio do Núcleo de Ações Originárias da Procuradoria Regional da República da 4ª Região, ofereceu denúncia contra Dias, por falsificação de documento particular e uso de documento falsificado. Segundo o MPF, entre fevereiro de 1998 e janeiro de 2006, Dias falsificou petições judiciais, contrato de honorários advocatícios e documento de renúncia, que usou para protocolar petições e ajuizar duas ações em seu favor na Justiça Federal de Santa Catarina. Em ambas, o juiz teve êxito e, de uma delas ainda recebeu honorários advocatícios. As assinaturas falsificadas são dos advogados Maurício Cozer Dias, Adriano Vituli da Silva e Luciana Freire Rangel. O exemplo de “punição” é o mesmo adotado no Mato Grosso, onde 11 juízes foram afastados dos cargos, pela aposentadoria compulsória, mas não ficam sem o pagamento régio dos salários. Ai daquele trabalhador comum que ousar fazer o mesmo, certamente não será aposentado, muito menos terá a garantia de receber o salarinho todos os meses!

    ESTA É OUTRA:
    Lembram da Cacau, a ex-BBB 10 famosa, digamos, por seus atributos? Pois a moça, que está em Floripa, foi malhar em uma academia no Beiramar Shopping, em Florianópolis, nesta sexta-feira à noite. Detalhe: ela não queria pagar os R$ 40 cobrados para os atletas avulsos.
    — Eu nunca pago nos locais onde vou — disse à recepcionista, identificando-se em seguida.
    Apesar de choro, não levou. Desembolsou os quarentinha pra poder puxar um pouco de ferro. Pelo visto, os cachês rarearam mesmo, né?

    MAL DO SÉCULO ???
    DAQUI A 4 ANOS TEM ELEIÇÃO DE NOVO.
    O GOVERNO LULA BOTOU UM MONTE PRA FORA DO JUDICIÁRIO.
    VOTEM DILMA, SE QUISEREM ALGUMA MUDANÇA.

    Guenta povão

    20 out 10 at 12:05 am

  4. mosquito+dengue= serra

    luiz carlos silva

    24 out 10 at 12:16 am

Leave a Reply